• Driele Quinhoneiro

As mãos invisíveis das mulheres

Qualquer mulher que já tenha pensado ou refletido sobre como a nossa sociedade foi construída, ou como as tarefas foram e são distribuídas sente raiva. Quando começamos a questionar um pouco mais fundo quem realmente ocupa essa posição, pode ser que nossa mente e corpo sejam invadidos por um sentimento forte que traz um aquecimento no corpo e um apertar dos dentes. Vem algo como injustiça, falta de reconhecimento e até um cansaço, porque desconstruir dá trabalho e talvez seja por isso que as coisas demorem para mudar.

Vamos começar! Eu vivo no ano de 2020, trabalho e pago minhas contas, o que chamamos de mulher independente, só quem ninguém disse que essa mulher independente ainda teria um cérebro projeto para cuidar das tarefas de casa. Vamos dizer que não é de agora que penso sobre isso e não concordo mais com a frase dos homens “eu vou te ajudar”, logo surge como assim? Você cohabita esse espaço, logo você não está fazendo algo por mim e sim pela saúde da convivência. Um ponto que eu nunca tinha pensando é que talvez nos meus 18 anos morando em casa eu fui preparada para ser cuidadora de casa, e o que isso significa? Que qualquer homem que está pensando agora em divisão igualitária de trabalho de casa tem 18 anos a menos de experiência que eu. E a observação é que isso não parou aos 18 anos já que continuei cultivando nos próximos 12 anos em que morei longe de casa. Isso não tem a ver com culpar minha mãe porque ela também foi treinada, assim como minha vó e também quem venho antes. Vou te dar exemplos básicos:

  • desde pequena meninas aprendem a brincar de servir com suas panelinhas, forno de brinquedos e tudo mais

  • eu me lembro de frases assim “Na cozinha a boa cozinheira é aquela que termina de preparar a comida e a cozinha está limpa” ou você precisa quebrar os ovos separadamente em uma xícara porque se um estiver estragado você pode arruinar com a receita.

Lembro de inúmeras situações em que meu pai fazia algumas tarefas de casa e elas não ficavam tão boas como quando minha mãe fazia. As mulheres são as mãos invisíveis que deixam os lugares limpos, com coisas que os homens nem sabem que alguém faz como:

  • colocar tudo para cima e lavar toda a pia

  • jogar água sanitária dentro do pote que fica a escova porque com o tempo vai molhando e criando fungos

Qualquer um que já tenha sido responsável pela limpeza de uma casa sabe que vamos aprendendo uma forma de fazer isso mais rápido e eficiente. E é óbvio que minha mãe fazia melhor que meu pai, já que tinha anos de treino a mais. Trazendo para o momento atual significa que eu lavo louça melhor que meu namorado, isso acontece porque quando deixava sem lavar o lado de trás do prato minha mãe me alertava que não era assim e quando a sociedade alertou ele disso? Quem ensinou que ele não pode colocar o óleo no fogo e deixar lá porque vai queimar. Quando ele aprendeu como deixar a cozinha organizada enquanto cozinha? E muitas vezes eu percebo o pensamento “Deixa que eu faço vai” e enquanto eu e muitas mulheres pensarem assim nada vai mudar. Para começarmos a falar de divisão de tarefas precisamos falar quais são as tarefas, abaixo trago uma lista:

  • revisar a geladeira se tem algo estragado

  • pegar o lixo da casa

  • trocar as toalhas de banho e de rostos

  • colocar roupa na máquina, estender, dobrar e guardar

  • tirar pó debaixo da cama e do sofá

  • passar aspirador

  • passar pano no chão da casa

  • lavar o banheiro (lavar o vaso, a pia, passar esponja no boxe, deixar a água sanitária agir para tirar a sujeira)

  • lavar a louça

  • arrumar a cozinha (envolve limpar as mãos sujas que deixam marca na geladeira, limpar o fogão, guardar a louça para receber as que serão lavadas)

  • reabastecer a água da geladeira

  • limpar o ventilador que acumula pó

  • bater os tapetes

  • lavar panos de chão

  • molhar as plantas

  • lavar os lixos da cozinha e do banheiro

E isso foi o que eu me lembrei em uma reflexão rápida. A verdade que tem acontecido hoje é que essas tarefas não têm sido divididas e sim entregues a outras mulheres: as empregas domésticas. Em toda a minha vida posso contar nos dedos das mãos quantos empregados domésticos em vi.

Outra coisa é que sempre que os homens começam a fazer algo surge a ideia de que eles são melhores e talvez se tivéssemos o mesmo tempo disponivel que ele que não são gastos como mãos invisíveis poderiam nos dedicar mais as paixões e hobbies. Não é estranho que as mulheres ocupam a cozinha há séculos e hoje eu conheça mais homens chefs renomados do que mulheres.

A minha pergunta é como equiparar 30 anos de experiência com homens que estão recém ocupando essa posição de cuidadores de casa. Qualquer que seja a resposta vai exigir muita conversa e paciência.

Driele Quinhoneiro 22.03.2020


#mindfulness #mindfuleating

3 visualizações0 comentário