• Driele Quinhoneiro

Comida e Casa em tempos de crise

Acordo e olho ao redor, vejo os limites da minha casa, meu corpo pede um pouco mais de descanso, minha mente está confusa se está de férias ou se é tempos de trabalho.

Escuto na cozinha o barulho e aroma do café sendo preparado. Começo a trabalhar e quando subo olhar do computador vejo minha geladeira e mesmo fechada minha mente vaga dentro dela, vasculhando o que pode ser o próximo lanche.


Entro nas redes sociais parece que mesmo em tempos de crise as pessoas estão sendo perfeitas lendo, trabalhando e se organizando perfeitamente. CHOCOLATE! A palavra surge na minha cabeça sem que eu a convide e quando como não paro para apreciar só quero que aquela sensação de desconforto passe logo.


Abro o jornal online e meu corpo treme, os ombros enrijecem e o medo de passar fome inunda cada parte do meu ser, minha cabeça acessa o arquivos de catástrofes e de repente imagens de guerra chegam. Percebo e volto a sentir a minha respiração, um descanso de tudo isso.


Preciso ir no mercado e minha mente começa passar um filme de que as pessoas estaram brigando por comida e que em tempos como esse é cada um por si.

Finalmente minha mente joga um boia “atenção amorosa”, interessante como apenas a expressão me puxa de tudo isso e me traz de volta. E aos poucos a atenção amorosa começa acolher tudo que encontra e responde a cada pensamento:


– “A forma como eu como está diferente” “Estou comendo mais doce” – Ela responde “É natural você não precisa ser tão rígida com você mesma. E que tal relembrar outras formas de cuidar de si? Divirta-se curiosa alimentando seu banco de horas de atividades que você faz só porque faz você se sentir bem


– “Estou comendo distraída e quando vejo o prato já acabou” – Ela responde “Eu estou a distância de uma respiração, eu sou simples, fácil e natural…não importa mais as outras refeições e sim como é agora. Dica: quando você come para honrar seu corpo e suas papilas gustativas é mais fácil trazer a amorosidade


-“Eu deveria estar aproveitando para ler e arrumar as gavetas bagunçadas” – Ela responde “Quem disse? Quem disse que todo mundo tem que reagir a esse momento em casa fazendo isso? Quem disse que em alguns momentos e em alguns dias você não pode apenas sobreviver e realizar as tarefas essenciais daquele dia. Que tal deixar a ideia de que você precisa ser sempre produtiva.


Então me sento como meu chá de alecrim que vem da horta da varanda e a atenção amorosa me envolve como o balançar de uma rede de descanso.


Escrito por Driele Quinhoneiro. 19.03.2020 Relatos da minha casa para sua casa.


#mindfulness #mindfuleating

5 visualizações0 comentário