• Driele Quinhoneiro

O que a natureza pode nos ensinar sobre padrão de beleza?

Compartilho com vocês um texto escrito em março de 2021:


Amanhece o dia 8 de março, famoso dia das mulheres, saio para trabalhar. Tudo fechado, fase rigorosa da pandemia. Chego em casa e ele me espera, um buquê de girassóis. Olho para ele e aprecio o gesto, mas a cada olhar checo o que significa para mim. Você é resultado de flores que estavam na natureza e agora foram retiradas da sua casa por um mercado das flores? Você seria símbolo de como os seres humanos acreditam que a natureza a seu dispor. Ou você seria o resultado de uma convivência com benefícios mútuos. Acolho todos aqueles sentimentos e comunico ao Pedro de que talvez eu não quisesse receber mais flores, não daquele jeito.


Quem já dividiu a casa com um girassol sabe que eles são um símbolo de impermanência. Chegam amarelos e radiantes e depois vão murchando e murchando. Quando chegou o coloquei na mesa de trabalho/jantar e ao perder seu amarelo foi transferido para sacada. Em um dia de descer o lixo, checo se existe algo para jogar “fora” e me peguei pensando se o girassol já teria comprido seu papel e agora estava destinado ao lixo do prédio.


Decido esperar e se ele fosse um experimento? Como seria observá-lo dia a dia? Em que ele se transformaria. No início percebi uma repulsa e um pensamento de que estava morto. Os dias se passavam e eu me perguntei o que eu estaria chamando de vida? E o que realmente era beleza. Três semanas depois me surpreendo com a coloração e tons de marrom e como o verde continua. Continuarei ele vivo?


Quem sabe meus olhos tenham descobertos outra forma de vida. Quase um mês depois ele está mais bonito do que chegou. Seria possível? Fico absorta ao perceber suas tonalidades, texturas e seus espaços também. Fico curiosa se você, leitora, ao olhar iria dizer que passou do tempo de ir embora, ou você poderia também ver a beleza e se perguntar como é a beleza fora dos padrões e como o processo de envelhecimento é escondido a todo tempo.


Na natureza a morte não é escondida e com atenção há a possibilidade de presenciar esse processo vida-morte-vida.



13 visualizações0 comentário