• Driele Quinhoneiro

Uma conversa com o medo

Atualizado: Jan 27

Querido papel digital não nos vemos a algum tempo e me pergunto onde você estava e quem sabe onde eu estaria. Eu estava no fluxo e não quero dizer um fluxo do piloto automático, mas sim fluindo com a vida. E agora há vários dias penso em você e decidi nessa manhã de terça me sentar com você.


Tomando meu chá verde, permito-me me mostrar para você sem julgamento. Quem sabe te contar como estou. Lembra daquele ritmo forçoso que às vezes me visita? Pois bem, ele está de volta. E chegou com aquela mistura completa, trazendo um medo que é capaz de soltar o que quer que esteja no meu trato gastrointestinal. Dessa vez algo está diferente, eu consigo ficar um pouco com medo antes de partir correndo para o lugar mais próximo. Talvez você me ajude a conversar com o Sr. Medo. Vou chamá-lo!


(Então o Sr. Medo vem caminhando com seu chapéu de empreiteiro) e diz “É o seguinte, sou contratado em tempo integral todo janeiro e até agora as coisas estão dando certo. A garota tem algumas ideias interessantes quando estou por perto”.


(A GAROTA) Sr. Medo você consegue ver todo o sofrimento que isso leva?


(SR. MEDO) Há muito tempo as pessoas sofrem, o que você esperava de mim? É isso que eu sei fazer desde que me lembro.


(A GAROTA) Eu se as coisas pudessem acontecer de forma diferente?


(SR. MEDO) Olha! Eu poderia dizer tudo bem, porque na verdade duvido que isso mude é quase como uma questão de magnetismo


(A GAROTA) E se fosse algo como tentar parar de resistir? Ou um parar por se permitir?

(SR. MEDO) Já estou nesse campo há muito tempo para perceber como vocês humanos gostam de “tudo” ou “nada”. Garota vou te dizer uma coisa porque comecei a gostar de você e é raro alguém parar para conversar comigo em um dia de trabalho.


Desista de querer eliminar por completo o medo para se entregar à fluidez. Note os pensamentos de medo e envolva-os com uma luz rosa dourada. Para falar bem a verdade seria legal ter umas cores por aqui.


Garota e se me permite dizer algo - descanse. Eu sei que é janeiro, quando todas devem estar prontas e energizadas por mais um ano, mas essa ideia de início do ano é apenas uma determinação, o cultivo das habilidades do coração não para.


Reduzirei minha jornada nos próximos dias. Com carinho, Sr. Medo.


14 visualizações0 comentário